Oi, galera, aproveitando os recursos que a internet pode oferecer em termos de interação e imersão em ambientes digitais, vou disponibilizar visitas virtuais às sete novas maravilhas mundiais. O recurso permite dar zoom na imagem e ver o entorno do monumento (o Cristo Redentor, por exemplo, dá uma visão fantástica do Rio de Janeiro).

Cristo Redentor virado para o Rio de Janeiro durante à noite

As sete novas maravilhas foram escolhidas em concurso informal e popular internacional promovido pela New Open World Foundation, que contou com mais de cem milhões de votos através de telefones celulares e da internet, enviados de todas as partes do mundo e anunciados em 7 de julho de 2007, numa cerimônia em Lisboa, Portugal.

- Muralha da China: China. Localizada entre o Mar Amarelo, o deserto de Góbi e a Mongólia, a Muralha da China é uma estrutura de arquitetura militar construída durante a China Imperial, ao longo de dois milênios.

- Petra: Jordânia. Localizada no grande vale que vai do Mar Morto ao Golfo de Aqaba, Petra foi uma cidade milenar, com estruturas esculpidas na rocha bruta, como El Khazneh – A Câmara do Tesouro.

- Cristo Redentor: Rio de Janeiro, Brasil. O Cristo Redentor foi inaugurado em 1931, sendo considerada a maior estátua de Cristo.

- Machu Picchu: Peru. Localizado no topo de uma montanha, a 2400 metros de altitude, no vale do rio Urubamba, Machu Picchu foi construída no século XV, sob as ordens de Pachacuti. O local é, provavelmente, o símbolo mais típico do Império Inca.

- Chichén Itzá: Iucatã, México. Chichén Itzá é uma cidade arqueológica que funcionou como centro político e económico da civilização Maia, a partir de 435, ano aproximado de sua fundação.

- Coliseu: Roma, Itália. O Coliseu foi inaugurado, aproximadamente, no ano 81. Era capaz de albergar perto de 50 mil pessoas, e com 48 metros de altura, era usado para variados espetáculos, sendo o combate de gladiadores o mais conhecido.

- Taj Mahal: Agra, Índia. Taj Mahal foi feita entre 1630 e 1652, com a força de cerca de 22 mil homens, trazidos de várias cidades do Oriente, para trabalhar no monumento de mármore branco que o imperador Shah Jahan mandou construir em memória de sua esposa favorita, Aryumand Banu Begam.