O Mito da Caverna – ou Alegoria da Caverna – escrito pelo filósofo grego Platão, é uma das maiores referências filosóficas a respeito da realidade e da ilusão. Ou, como diria o filósofo, um contraste entre o mundo sensível (aquele que observamos através dos sentidos) e o mundo das ideias (aquele alcançado através de intensa reflexão).

Nesta postagem, vamos apresentar três representações acerca do Mito da Caverna, de forma a perceber as diferentes leituras e interpretações do alcance das ideias de Platão. Se você gosta de Filosofia e deseja aprofundar os seus conhecimentos, confira

1- Prisioneiros de argila

Apresenta uma visão mais sombria do Mito da Caverna, utilizando miniaturas feitas em argila. A satisfação em ver bonequinhos de argila vira tensão na trilha sonora e na voz do narrador.

2- Piteco e os prisioneiros

Piteco encontra alguns prisioneiros que preferem viver em uma caverna, ainda que tenham liberdade para sair. Mostra que, de certa forma, a realidade dos prisioneiros é mais atual do que podemos imaginar.

3- Educação que aprisiona

Relaciona o Mito da Caverna com a Educação, representando a sala de aula como um ambiente que, muitas vezes, aprisiona o aluno. Foi extraído do documentário Educação Proibida.