O título acima é, certamente, uma provocação. Em artigo anterior, eu havia dito que tinha elaborado um mapa completinho do Enem, a partir de estátisticas das questões resolvidas desde 1998. Assim, uma das categorias é justamente as alternativas mais assinaladas nas questões de história.

O leitor deve decidir como usar esta informação, se é que podemos atribuir alguma utilidade a ela. Uma das características do novo Enem – pelo menos de acordo com o MEC – é o mecanismo criado para evitar o chute. Já escrevemos sobre isto, e também sobre a Teoria da Resposta ao Item (TRI).

Isto significa que chutar na prova fica sob sua conta e risco. De qualquer forma, o Enem é uma prova objetiva caracterizada pela presença de cinco letras (a, b, c, d, e). Destas cinco, há quatro distratores, ou seja, alternativas incorretas. Cabe ao candidato, através da eliminação das alternativas erradas, chegar à certa.

Conheça as dicas para resolver este tipo de questão no artigo como resolver questões objetivas.

Alternativas

Dito isso, vamos analisar quais as alternativas que os queridos formuladores de questões do Enem elegem como correta. Para perceber as tendências, vamos verificar os dados de 1998 a 2011 e os dados de 2009 a 2011 (a partir do novo Enem). Assim, fica mais fácil de tirar conclusões.

Alternativas do Enem, de 1998 a 2011

Neste primeiro gráfico, considerando todas as provas do Enem, há uma preponderância de questões cujas alternativas E e D estão corretas. Percebemos, também, um equilíbrio entre as letras A e C. À letra B, ficou o papel de patinho feio, com a menor porcentagem do total.

Bom, e se a gente considerar apenas as provas a partir da proposta do novo Enem?

Alternativas do Enem, de 2009 a 2011

Quase a mesma coisa! Predominam as letras E e D como opções de resposta, mas agora com um equilíbrio maior entre as letras A, B e C. Isto significa que, ao menos na parte de história, aumentaram o número de questões, mas se manteve a tendência na hora de assinalar a resposta correta.

Conclusão

Vocês conseguem abstrair alguma conclusão nos gráficos apresentados? Na minha opinião, a conclusão é bem simples e direta: considerando a predominância de alternativas corretas na letra D e E, a tendência é fazer o paciente candidato ler TODAS as alternativas antes de assinalar.

Seria uma boa ideia, não fosse o fato de que o candidato dispõe de pouco tempo para resolver as questões. De qualquer forma, treine muito resolvendo as questões do Enem e fazendo simulados online para chegar com a “mente afiada” na hora da prova.

E, se for chutar, que seja na letra E 🙂