Na prova do Enem 2009, tente resolver esta questão sobre a forma como a morte e os mortos eram tratados no Brasil Colônia e as práticas funerárias deste período histórico. A resolução está logo abaixo da questão, com comentários e habilidades cobradas na prova.

Cortejo fúnebre

Para ter mais informações sobre este exame nacional, fique atualizado nas notícias sobre o Enem.

Questão

Questão 53:

Hoje em dia, nas grandes cidades, enterrar os mortos é uma prática quase íntima, que diz respeito apenas à família. A menos, é claro, que se trate de uma personalidade conhecida. Entretanto, isso nem sempre foi assim. Para um historiador, os sepultamentos são uma fonte de informações importantes para que se compreenda, por exemplo, a vida política das sociedades.

No que se refere às práticas sociais ligadas aos sepultamentos,

a) na Grécia Antiga, as cerimônias fúnebres eram desvalorizadas, porque o mais importante era a democracia experimentada pelos vivos.
b) na Idade Média, a Igreja tinha pouca influência sobre os rituais fúnebres, preocupando-se mais com a salvação da alma.
c) no Brasil colônia, o sepultamento dos mortos nas igrejas era regido pela observância da hierarquia social.
d) na época da Reforma, o catolicismo condenou os excessos de gastos que a burguesia fazia para sepultar seus mortos.
e) no período posterior à Revolução Francesa, devido as grandes perturbações sociais, abandona-se a prática do luto.

Confira a resolução 😉

Resposta: Letra C

Habilidade: Identificar registros de práticas de grupos sociais no tempo e no espaço

Comentários: No Brasil Colônia, a celebração fúnebre acontecia em diferentes espaços religiosos que eram usados de acordo com a distinção social daquele que perdera a sua vida. Os membros da elite tinham a sua morte ritualizada nas igrejas de maior importância da região. Em contrapartida, a morte dos menos privilegiados se via restrita aos sacramentos religiosos necessários e um evento de pouca repercussão entre os membros da sociedade colonial.