Na prova do Enem 2009, tente resolver esta questão sobre como ficou o mundo após a Guerra Fria e a resolução de questões políticas, sociais e econômicas entre os países. A resolução está logo abaixo da questão, com comentários e habilidades cobradas na prova.

Foto em preto e branco de um ato de terrorismo islâmico

Para ter mais informações sobre este exame nacional, fique atualizado nas notícias sobre o Enem.

Questão

Questão 55:

O fim da Guerra Fria e da bipolaridade, entre as décadas de 1980 e 1990, gerou expectativas de que seria instaurada uma ordem internacional marcada pela redução de conflitos e pela multipolaridade.

O panorama estratégico do mundo pós-Guerra Fria apresenta

a) o aumento de conflitos internos associados ao nacionalismo, às disputas étnicas, ao extremismo religioso e ao fortalecimento de ameaças como o terrorismo, o tráfico de drogas e o crime organizado.
b) o fim da corrida armamentista e a redução dos gastos militares das grandes potências, o que se traduziu em maior estabilidade nos continentes europeu e asiático, que tinham sido palco da Guerra Fria.
c) o desengajamento das grandes potências, pois as intervenções militares em regiões assoladas por conflitos passaram a ser realizadas pela Organização das Nações Unidas (ONU), com maior envolvimento de países emergentes.
d) a plena vigência do Tratado de Não Proliferação, que afastou a possibilidade de um conflito nuclear como ameaça global, devido à crescente consciência política internacional acerca desse perigo.
e) a condição dos EUA como única superpotência, mas que se submetem às decisões da ONU no que concerne às ações militares.

Confira a resolução ;)

Resposta: Letra A

Habilidade: Avaliar criticamente conflitos culturais, sociais, políticos, econômicos ou ambientais ao longo da história.

Comentários: O fim da Guerra Fria não acabou com os conflitos mundiais, muito menos levou as nações a um maior grau de consciência humanitária antibelicista. A letra A representa bem as características do mundo pós-Guerra Fria e os conflitos na entrada do séc. XXI.