Na prova do Enem 2009, tente resolver esta questão sobre os monumentos do Egito e o trabalho que está por trás de sua construção. A resolução está logo abaixo da questão, com comentários e habilidades cobradas na prova.

Esfinge e atrás, as pirâmides de gizé

Para ter mais informações sobre este exame nacional, fique atualizado nas notícias sobre o Enem.

Questão

Questão 50:

O Egito é visitado anualmente por milhões de turistas de todos os quadrantes do planeta, desejosos de ver com os próprios olhos a grandiosidade do poder esculpida em pedra há milênios: as pirâmides de Gizeh, as tumbas do Vale dos Reis e os numerosos templos construídos ao longo do Nilo.

O que hoje se transformou em atração turística era, no passado, interpretado de forma muito diferente, pois

a) significava, entre outros aspectos, o poder que os faraós tinham para escravizar grandes contingentes populacionais que trabalhavam nesses monumentos.
b) representava para as populações do alto Egito a possibilidade de migrar para o sul e encontrar trabalho nos canteiros faraônicos.
c) significava a solução para os problemas econômicos, uma vez que os faraós sacrificavam aos deuses suas riquezas, construindo templos.
d) representava a possibilidade de o faraó ordenar a sociedade, obrigando os desocupados a trabalharem em obras públicas, que engrandeceram o próprio Egito.
e) significava um peso para a população egípcia, que condenava o luxo faraônico e a religião baseada em crenças e superstições.

Confira a resolução 😉

Resposta: Letra A

Habilidade: Identificar registros de práticas de grupos sociais no tempo e no espaço.

Comentários: O Egito era um estado teocrático, ou seja, o faraó era considerado um representante dos deuses na terra. Esta imagem do governante tornava sua autoridade indiscutível, despótica. Assim, grandes contingentes humanos foram escravizados e muitos monumentos foram erguidos para representar esta autoridade. Vale ressaltar que existem, hoje, teorias que dizem que estes monumentos não foram erguidos por escravos, mas por trabalhadores livres.