Na prova do Enem 2010, tente resolver esta questão sobre as contradições da classe trabalhadora, que produzia para os donos das grandes fábricas, durante a Revolução Industrial na Inglaterra. A resolução está logo abaixo da questão, com comentários e habilidades cobradas na prova.

Trabalhadores de sapataria

Para ter mais informações sobre este exame nacional, fique atualizado nas notícias sobre o Enem.

Esta questão trata da Revolução Industrial e das condições de vida da classe trabalhadora. Este é um tema recorrente no Enem, sempre relacionado a questões sociais. Portanto, é importante que você leia o resumo sobre a Revolução Industrial para compreender o contexto destas questões.

Questão

Questão 40

Homens da Inglaterra, por que arar para os senhores que vos mantêm na miséria?
Por que tecer com esforços e cuidado as ricas roupas que vossos tiranos vestem?
Por que alimentar, vestir e poupar do berço até o túmulo esses parasitas ingratos que exploram vosso suor — ah, que bebem vosso sangue?
(SHELLEY. Os homens da Inglaterra. Apud HUBERMAN, L. História da Riqueza do Homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.)

A análise do trecho permite identificar que o poeta romântico Shelley (1792-1822) registrou uma contradição nas condições socioeconômicas da nascente classe trabalhadora inglesa durante a Revolução Industrial. Tal contradição está identificada

a) na pobreza dos empregados, que estava dissociada da riqueza dos patrões.
b) no salário dos operários, que era proporcional aos seus esforços nas indústrias.
c) na burguesia, que tinha seus negócios financiados pelo proletariado.
d) no trabalho, que era considerado uma garantia de liberdade.
e) na riqueza, que não era usufruída por aqueles que a produziam.

Confira a resolução 😉

Resposta: E

Habilidade: Identificar registros de práticas de grupos sociais no tempo e no espaço.

Comentários: Percy Shelley mostra-se sensível aos problemas sociais  presentes na Revolução Industrial Inglesa, embora ele próprio pertencesse à camada dominante. De certa forma, podemos associar sua visão às críticas formuladas na época pelos primeiros socialistas utópicos.