Na prova do Enem 2014, tente resolver esta questão sobre a forma como o governo de Getúlio Vargas buscou alternativas para o efeito da Crise de 1929 no Brasil. A resolução está logo abaixo da questão, com comentários e habilidades cobradas na prova, assim como o resumo que você deve ler para aprofundar neste tema.

Questão: Brasil e a Crise de 1929

Ao deflagrar-se a crise mundial de 1929, a situação da economia cafeeira se apresentava como se segue. A produção, que se encontrava em altos níveis, teria que seguir crescendo, pois os produtores haviam continuado a expandir as plantações até aquele momento. Com efeito, a produção máxima seria alcançada em 1933, ou seja, no ponto mais baixo da depressão, como reflexo das grandes plantações de 1927-1928. Entretanto, era totalmente impossível obter crédito no exterior para financiar a retenção de novos estoques, pois o mercado internacional de capitais se encontrava em profunda depressão, e o crédito do governo desaparecera com a evaporação das reservas.
FURTADO, C. Formacão econômica do Brasil. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1997 (adaptado).

Uma resposta do Estado brasileiro à conjuntura econômica mencionada foi o(a)

a) atração de empresas estrangeiras.
b) reformulação do sistema fundiário.
c) incremento da mão de obra imigrante.
d) desenvolvimento de política industrial.
e) financiamento de pequenos agricultores.

Confira a resolução 😉

Resposta: D

Habilidade: Analisar diferentes processos de produção ou circulação de riquezas e suas implicações sócio-espaciais.

Resolução: Getúlio Vargas começou o seu regime político a partir da Revolução de 1930. O governo enfrentou, em seus primeiros anos de vida, os efeitos da Crise de 1929, que prejudicou o mercado de café, a entrada de crédito e mercadorias internacionais. A resposta do Estado brasileiro a esse cenário foi estimular o desenvolvimento industrial a fim de levar a nação brasileira a uma sustentação própria e a um progresso nacional, em uma década em que as potências capitalistas estavam em crise.

Resumo: Era Vargas