No livro A Orquestra do Reich, de Misha Aster, você vai ver como a Filarmônica de Berlim – sinônimo de excelência na música de concerto desde sua criação no final do século XIX – foi utilizada para os propósitos do nazismo.

Livro: A Orquestra do Reich, de Misha Aster

>> Compre na Livraria Saraiva (R$ 70,00)

>> Compre na Loja Submarino (R$ 66,90)

O livro foi lançado em 2012 e conta com 330 páginas. Ao ler, você vai conferir

  • Gerida por seus próprios integrantes como uma cooperativa, passava por problemas financeiros gravíssimos nos anos de 1930, quando o nazismo ascendeu ao poder.
  • Percebendo a oportunidade de controlar e utilizar o prestígio internacional da gloriosa orquestra em seu projeto de poder, Joseph Goebbels fez o Estado assumir suas contas e programação.
  • Protegida pelos nazistas e gozando de privilégios, a Filarmônica de Berlim empreendeu turnês internacionais antes e durante a Segunda Guerra Mundial.
  • A filarmônica tocou várias ocasiões oficiais nazistas: na convenção anual do partido, em Nurembergue, na abertura dos Jogos Olímpicos de 1936, e até no aniversário de Hitler.
  • A orquestra aceitou essas vantagens como uma combinação de agradecimento e receio, ao mesmo tempo que buscava justificativas para sua posição no regime.