Rankings de poderio bélico são polêmicos, mas, em qualquer lista desse tipo, quem aparece no topo é o exército dos Estados Unidos. Além de armas arrasadoras, os americanos têm um efetivo de 1,4 milhão de soldados e torram uma fortuna com os militares: por ano, são 329 bilhões de dólares, o que dá 1.138 dólares por habitante, um dos maiores gastos do mundo.

Eleger o senhor dos exércitos foi fácil, mas descobrir o resto do ranking nem tanto. A lista foi feita com base nas informações do Instituto Internacional para Estudos Estratégicos (IISS, na sigla em inglês). Das estatísticas do IISS, foram tirados três dados comparativos: o efetivo de cada exército, os gastos militares totais e per capita e a tecnologia e o poder dos armamentos. Obs.: Os números desta lista podem estar desatualizados, pois são dados do IISS do ano de 2002.

Esta lista foi extraída e adaptada do Mundo Estranho.

10- Israel

Soldados do exército de Israel caminhando no deserto

O exército israelense conta com efetivo de 161.500 soldados, gasto militar anual de 9,4 bilhões de dólares (1.499 dólares por habitante) e armas nucleares. Pequeno e pouco populoso, Israel se envolveu em conflitos com os vizinhos árabes e resolveu se armar até os dentes. Para compensar a inferioridade numérica, os israelenses optaram por qualidade: suas tropas estão entre as mais bem treinadas da Terra, a Força Aérea dispõe de tecnologia de ponta e a experiência em combate fez o país desenvolver algumas das melhores armas disponíveis, como o tanque Merkava.

9- Coréia do Sul

Mulheres do exército da Coréia do Sul treinando com baionetas

O exército sul-coreano conta com efetivo de 686.000 soldados, gasto militar anual de 12 bilhões de dólares (266 dólares por habitante) e não possui armas nucleares. Graças à proteção dos Estados Unidos, o país atingiu níveis econômicos, científicos e tecnológicos muito superiores aos do vizinho do norte. Por causa da crise com os comunistas, a Coréia do Sul mantém Forças Armadas poderosas em prontidão na fronteira, embora não tenha armas atômicas. O equipamento é de alta qualidade, comprado dos americanos ou desenvolvido localmente com ajuda ianque.

8- Paquistão

Militar do exército do Paquistão atirando com metralhadora de chão

O exército paquistanês conta com efetivo de 620;000 soldados, gasto militar anual de 2,5 bilhões de dólares (17 dólares por habitante) e possui armas nucleares. A maior potência militar muçulmana tem economia e população inferiores às da rival Índia, mas, para criar um “equilíbrio de terror” no sul da Ásia, o Paquistão também investiu em armas nucleares. Pouco se conhece sobre as armas atômicas ou sobre o tamanho do arsenal do país. Mas a existência da bomba dos dois lados da fronteira tem forçado Índia e Paquistão a uma convivência tensa – e “pacífica”, na medida do possível.

7- Índia

Tanque de guerra do exército da Índia

O exército indiano conta com efetivo de 1.298.000 soldados, gasto militar anual de 13 bilhões de dólares (13 dólares por habitante) e possui armas nucleares. O segundo país mais populoso do planeta sempre esteve em briga com seus vizinhos muçulmanos. Hoje, o maior rival é o Paquistão, com quem disputa terras na região da Caxemira. As aguerridas tropas indianas estão entre as mais bem equipadas dos países emergentes. Além de muitos soldados, a Índia tem armas nucleares e mísseis para transportá-las.

6- Coréia do Norte

Estátua em bronze de soldados do exército da Coréia do Norte

O exército norte-coreano conta com efetivo de 1.082.000 soldados, gasto militar anual de 4,7 bilhões de dólares (214 dólares por habitante) e possui armas nucleares. Assolado pela pobreza e pela fome, este país sustenta um dos estados mais militarizados do planeta. Envolvidos em disputas de território com a Coréia do Sul desde a década de 40, os comunistas do Norte contam com tropas numerosas, com muito armamento convencional. Nas últimas décadas, o país desenvolveu tecnologia para produzir armas nucleares.

5- Reino Unido

Soldados do exército da Inglaterra atirando

O exército britânico conta com efetivo de 210.400 soldados, gasto militar anual de 35 bilhões de dólares (590 dólares por habitante) e possui armas nucleares. Até a Segunda Guerra (1939-1945), a Grã-Bretanha era a maior potência naval da Terra. Depois do conflito, a Marinha Real encolheu, mas ainda é uma das principais do mundo. O Exército sempre foi pequeno, mas é um dos mais profissionais do planeta, bem equipado com tanques, blindados de transporte de pessoal e uma parafernália de mísseis.

4- França

Helicóptero do exército da França em missão militar

O exército francês conta com efetivo de 260.400 soldados, gasto militar anual de 38 bilhões de dólares (636 dólares por habitante) e possui armas nucleares. Para se proteger da ameaça comunista na Guerra Fria, os franceses criaram uma força nuclear própria com os três meios clássicos de lançar armas atômicas: mísseis em terra, em submarinos e em aviões. A indústria de defesa é uma das principais da Europa, produzindo tanques de ótima qualidade, como o Leclerc, e aviões clássicos como os das séries Mirage.

3- China

Soldados do exército da China treinando com tronco de árvore na chuva

O exército chinês conta com efetivo de 2.270.000 soldados, gasto militar anual de 48 bilhões de dólares (37 dólares por habitante) e possui armas nucleares. O país mais populoso da Terra conta com bom número de armas nucleares e sempre teve Forças Armadas numerosas, mas o nível pouco sofisticado de sua indústria não permitia equipar as tropas com armas de última geração. Isso mudou recentemente: o salto econômico e a relativa abertura política das últimas duas décadas levaram a China a investir na modernização do arsenal.

2- Rússia

Ataque com veículos de guerra do exército da Rússia

O exército russo conta com efetivo de 988.100 soldados, gasto militar anual de 48 bilhões de dólares (333 dólares por habitante) e possui armas nucleares. O maior herdeiro da ex-URSS possui exército numeroso e pesquisa militar de ponta, mas tem poucos recursos para comprar equipamentos. A vocação por números astronômicos diminuiu: durante a Guerra Fria, a URSS chegou a ter 5,3 milhões de soldados – um recorde – e produziu mais de 70 mil tanques das séries T-54/T-55/T-62. Eles eram inferiores aos modelos ocidentais, mas podiam levar a melhor pela quantidade.

1- Estados Unidos

Desfile com veículos de guerra do exército dos Estados Unidos

O exército estadounidense conta com efetivo de 1.414.000 soldados, gasto militar anual de 329 bilhões de dólares (1.138 dólares por habitante) e, claro, possui armas nucleares. Única superpotência militar depois do colapso soviético, os Estados Unidos são donos da mais poderosa esquadra do globo, que tem uma dúzia de porta-aviões gigantes, a maioria de propulsão nuclear. O país conta ainda com o maior arsenal nuclear e modernos armamentos operados por computadores e guiados por satélites.

BÔNUS

Brasil

Militares do exército do Brasil planejando em frente a um helicóptero

O exército brasileiro conta com efetivo de 287.600 soldados, gasto militar anual de 9,6 bilhões de dólares (55 dólares por habitante) e não possui armas nucleares. Não dá para cravar uma posição para o Brasil no ranking mundial de exércitos, mas dá para fazer algumas comparações. Numericamente, nossas tropas são as maiores da América do Sul. Tecnologicamente, somos semelhantes aos vizinhos. Com fronteiras bem definidas, não há grandes rivalidades regionais. Por isso, o país não tem o mesmo “estímulo” para investir em armas que outros países brigões.