Dia 08 de março é Dia Internacional da Mulher. A data foi escolhida a partir da manifestações de mulheres operárias, nos Estados Unidos, por melhores condições de trabalho. O movimento, ocorrido no dia em 8 de março de 1857, foi duramente reprimido. Não bastasse a violência, ocorreu um incêndio na fábrica que causou a morte de mais de 100 operárias que trabalhavam na fábrica. Décadas depois, o 08 de março ficou reconhecido oficialmente como o dia da mulher. E é em homenagem a elas que esta lista foi criada.

Ainda há muito a ser conquistado. No artigo 10 abusos sofridos pela mulher abordamos que, ao redor do mundo, muitas mulheres ainda são vítimas de violência e injustiças, como infanticídio feminino, perseguição sexual, mutilação genital, sequestro de noivas, entre outras. Se você quer saber o que rolou no Brasil, confira o artigo abaixo.

Pintura da escritora feminista Mary Wollstonecraft

– 1788: O político e filósofo iluminista francês Condorcet reivindica direitos de participação política, emprego e educação para as mulheres;

– 1792: Na Inglaterra, Mary Wolstonecraft escreve um dos grandes clássicos da literatura feminista – A Reivindicação dos Direitos da Mulher – onde defendia uma educação para meninas que aproveitasse seu potencial humano.

– 1840: Lucrécia Mott luta pela igualdade de direitos para mulheres e negros dos Estados Unidos, pouco antes de estourar a Guerra de Secessão.

– 1857: Nos Estados Unidos, mo dia 8 de março, em uma fábrica têxtil, em Nova Iorque, 129 operárias morrem queimadas numa ação policial porque reivindicaram a redução da jornada de trabalho de 14 para 10 horas diárias e o direito à licença-maternidade. Mais tarde foi instituído o Dia Internacional da Mulher, 8 de março, em homenagem a essas mulheres.

– 1859: Surge na Rússia, na cidade de São Petersburgo, um movimento de luta pelos direitos das mulheres.

– 1862: Durante as eleições municipais, as mulheres podem votar pela primeira vez na Suécia.

– 1865: Na Alemanha, Louise Otto cria a Associação Geral das Mulheres Alemãs.

– 1866: No Reino Unido, em plena Revolução Industrial, o economista John S. Mill escreve exigindo o direito de voto para as mulheres inglesas.

– 1869: É criada nos Estados Unidos a Associação Nacional para o Sufrágio das Mulheres.

Foto de Fanny Blankers-Koen, que conquistou 4 medalhas de ouro em Olimpíada

– 1893: Na Nova Zelândia, pela primeira vez no mundo, as mulheres têm direito ao voto.

– 1870: Na França, as mulheres passam a ter acesso aos cursos de Medicina.

– 1874: Criada no Japão a primeira escola normal para moças.

– 1878: Criada na Rússia uma Universidade Feminina.

– 1901: O deputado francês René Viviani defende o direito de voto das mulheres.

– 1923: No Japão, as atletas femininas ganham o direito de participarem das academias de artes marciais.

– 1945: Após a Segunda Guerra Mundial, a igualdade de direitos entre homens e mulheres é reconhecida em documento internacional, através da Carta das Nações Unidas.

– 1948: A holandesa Fanny Blankers-Koen, 30 anos, mãe de duas crianças, foi a grande heroína individual da Olimpíada, superando todos os homens ao conquistar quatro medalhas de ouro no atletismo.

– 1949: São criados os Jogos da Primavera, ou ainda “Olimpíadas Femininas”. No mesmo ano, a francesa Simone de Beauvoir publica o livro “O Segundo Sexo”, no qual analisa a condição feminina.

– 1951: Aprovada pela Organização Internacional do Trabalho a igualdade de remuneração entre trabalho masculino e feminino para função igual.

Foto da primeira ministra alemã, Angela Merkel

– 1974: Na Argentina, Isabel Perón torna-se a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente.

– 1975: Na Argentina, comemora-se o Ano Internacional da Mulher. A ONU promove a I Conferência Mundial sobre a Mulher, na Cidade do México. Na ocasião, é criado um Plano de Ação.

– 1983: Nos Estados Unidos, Sally Ride é a primeira mulher astronauta. Voou na nave espacial Challenger.

– 1985: No dia 29 de agosto, foi criado o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM) com a finalidade de promover em âmbito nacional, políticas que visem a eliminar a discriminação da mulher, assegurando-lhe condições de liberdade e de igualdade de direitos, bem como sua plena participação nas atividades políticas, econômicas e culturais do País.

– 2001: Na Alemanha, Jutta Kleinschmidt é a primeira mulher a vencer o Rali Paris-Dakar, na categoria carros. Considerada a prova mais difícil do planeta – seu desafio é atravessar o deserto – Kleinschmidt, com essa vitória, faz jus à força feminina, presente em todas as atividades do mundo atual. Em 23 anos de disputa, jamais uma mulher havia ganhado nessa competição.

– 2005: Na Alemanha, Angela Merkel foi eleita a nova chanceler alemã, a primeira mulher a ocupar o cargo na história do país. Ela foi aprovada para o cargo pelo Parlamento alemão, e teve 397 votos a favor, contra 202 contra. Houve 12 abstenções.