O Campeonato Mundial de Fórmula 1 (ou Fórmula Um, como registrado oficialmente) é, inegavelmente, uma das principais competições esportivas do planeta. O esporte é regulamentado pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA), com sede em Paris, França. Foram necessários muitos anos para esta ser considerada a principal competição do automobilismo.

Alguns aspectos da história da Fórmula 1

Equipe Honda de 1964

No decorrer do século XX, vários campeonatos automotivos – chamados de Grande Prêmio (GP) – foram disputados na Europa, havendo apenas um intervalo entre 1939 e 1945, em decorrência da Segunda Guerra Mundial. Cumpre ressaltar que esta guerra também afetou outras competições esportivas ao redor do planeta, como os jogos olímpicos.

Segundo a FIA, a primeira prova do Campeonato Mundial de Fórmula 1 aconteceu no dia 13 de Maio de 1950, com a realização do Grande Prêmio da Inglaterra, prova essa que se realizou no Circuito de Silverstone. Assim, a Inglaterra recebeu a primeira corrida de Fórmula 1, sendo que o GP da Inglaterra ainda é uma das competições que faz parte do calendário de provas. A prova de Silverstone contou com um público de 100 mil pessoas e a presença de toda a família real inglesa.

Nesse ano de 1950, o campeonato foi disputado apenas em países europeus, como é o caso da Inglaterra, Mônaco, Suíça, Bélgica, França e Itália. A primeira corrida que se realizou na Inglaterra juntou cerca de 100.000 pessoas no Circuito de Silverstone. Porém, para ser considerado um “campeonato mundial”, a FIA acrescentou ainda a prova de 500 milhas de Indianápolis, mesmo que as equipes e carros nos Estados Unidos fossem bem diferentes daquelas que disputavam na Europa.

O ano de 1958 marcou a participação da primeira mulher pilotando na Fórmula I, a italiana Maria Teresa de Filippis. As primeiras equipes a terem sucesso no Campeonato de Fórmula 1 foram: Alfa Romeo, com as Alfettas; a Maseratti, com as Voiturettes; a Ferrari e ainda a Mercedes-Benz.

A partir do ano de 1960, muitas mudanças começaram a surgir na modalidade e, com o passar dos anos, a Fórmula 1 foi crescendo e tornando-se um dos esportes de maior sucesso no mundo. Nesta década, o esporte se tornou mais comercial, com as escuderias recebendo patrocínio de grandes empresas, como é o caso da Lotus, que se uniu a um empresa de tabaco.

Entre as décadas de 1970 e 1980, grandes nomes da Fórmula 1 entraram para a história do esporte, como o austríaco Niki Lauda, os britânico James Hunt e Nigel Mansel, o francês Alain Prost e os brasileiros Nelson Piquet, Emerson Fittipaldi e Ayrton Senna, sendo este último considerado um dos maiores pilotos que já existiu.

Aliás, não podemos falar da história da Fórmula 1 sem fazer referência ao ano de 1994 – o anno horribilis – ano de muitos acidentes na competição, sendo marcante aquele que levou à morte Ayrton Senna  Foi também a partir desse ano que começou a era de Michael Schumacher, uma das grandes apostas da Fórmula 1. Em 1995, Schumacher conquistou o bicampeonato e, ao longo da sua carreira, foram setes títulos que o piloto alemão conseguiu conquistar, tornando-se, assim, uma das principais referências da Fórmula 1.