Assim como os povos, as línguas alteram sua constituição com o passar do tempo. Misturam-se umas as outras, se adaptam a novas situações (novas invenções e novos costumes geram novos termos), etc. Neste texto discorremos brevemente sobre a história da língua inglesa e espanhola.

Embora, o primeiro povo a habitar as ilhas britânicas tenham sido os celtas, quase nenhum vestígio dessa língua pode ser percebido no inglês moderno que nasce da junção dos idiomas das tribos bárbaras anglas e saxãs. Esse primeiro inglês é chamado de Old English. Quando comparado ao inglês atual, o Old English (ou Anglo-Saxão) é uma língua completamente distinta tanto na gramática quanto na escrita. Seiscentos anos depois, os Normandos (do norte da França) invadem a Inglaterra e a dominaram por mais 300 anos, durante os quais introduzem sua língua e sua cultura. Nasce então, o Middle-English, um cruzamento da língua anglo-saxônica com o francês. Porém, com o surgimento da imprensa (em 1564), as possibilidades para o registro escrito das línguas aumentam imensamente. Assim, o inglês (e todas as outras línguas) inicia um processo de fixação e unificação. Ou seja, a divulgação em larga escala de registros escritos (até então, extremamente limitada) possibilita a difusão de uma língua culta padrão para todas as regiões do país. Surge assim o Modern English, a língua que conhecemos hoje (embora, obviamente existam diferenças de vocabulário e estilo entre os anos de 1500 e hoje, porém, tais mudanças não são grandes o bastante para caracterizar uma nova língua).

Guerreiros Celtas

Já o espanhol possui uma história um pouco diferente. Como a maioria das línguas neolatinas, grande parte das palavras em espanhol tem sua origem no latim vulgar que era falado pelos soldados romanos que conquistaram a região. Devido ao fato da Espanha se localizar no continente, a presença romana foi bem mais forte na região. Porém, a língua também sofreu influência com a invasão dos Visigodos e com o domínio Árabe, principalmente, no sul do país durante a Idade Média. As palavras oriundas da influência árabe geralmente podem ser reconhecidas pelo prefixo “al”. Assim como no caso do inglês, a invenção da escrita foi essencial para a fixação da língua espanhola, que também teve na fundação da Real Academia espanhola outro processo que auxiliou na fixação da língua.

Muitos temem que a Internet com a sua multitude de registros escritos e audiovisuais acabe por causar alterações muito drásticas nos idiomas. É muito mais provável, contudo, que a Internet gere formas de expressão paralelas que dificilmente chegarão a alterar a estrutura da língua oficial (visto que isso exige tempo e os registros da internet não tendem a ser influentes por muito tempo, sendo rapidamente substituídos devido a sua fluidez). Por isso, não se preocupe caso vá fazer aulas de inglês em Belo Horizonte ou um Curso de Espanhol em Manaus. Apesar das modificações que sofreram e que sofrerão ou do local onde são ensinadas, elas ainda são a língua de Shakespeare e a de Cervantes. E assim continuarão por um bom tempo.